quinta-feira, 16 de junho de 2011

Paródias do Che Guevara

É bem comum vermos camisas com estampas parodiando o amado e odiado Che Guevara. Mas uma coisa é fato, muitas pessoas utilizam a imagem dele sem saber quem ele foi. Separei algumas das melhores paródias:






Móveis humanos

Você já viu móveis humanos? Pois é, o fotógrafo  David Blazquez tirou estas fotos, que pertencem à uma série de fotos em que alguns dos itens da casa são feitos de pessoas. É bem desconfortável olhar as imagens, tire suas conclusões:








Até a próxima!

quarta-feira, 15 de junho de 2011

Música do dia: Podres Poderes - Caetano Veloso

Podres Poderes

Caetano Veloso

Enquanto os homens exercem
Seus podres poderes
Motos e fuscas avançam
Os sinais vermelhos
E perdem os verdes
Somos uns boçais...
Queria querer gritar
Setecentas mil vezes
Como são lindos
Como são lindos os burgueses
E os japoneses
Mas tudo é muito mais...
Será que nunca faremos
Senão confirmar
A incompetência
Da América católica
Que sempre precisará
De ridículos tiranos
Será, será, que será?
Que será, que será?
Será que esta
Minha estúpida retórica
Terá que soar
Terá que se ouvir
Por mais zil anos...
Enquanto os homens exercem
Seus podres poderes
Índios e padres e bichas
Negros e mulheres
E adolescentes
Fazem o carnaval...
Queria querer cantar
Afinado com eles
Silenciar em respeito
Ao seu transe num êxtase
Ser indecente
Mas tudo é muito mau...
Ou então cada paisano
E cada capataz
Com sua burrice fará
Jorrar sangue demais
Nos pantanais, nas cidades
Caatingas e nos gerais
Será que apenas
Os hermetismos pascoais
E os tons, os mil tons
Seus sons e seus dons geniais
Nos salvam, nos salvarão
Dessas trevas e nada mais...
Enquanto os homens exercem
Seus podres poderes
Morrer e matar de fome
De raiva e de sede
São tantas vezes
Gestos naturais...
Eu quero aproximar
O meu cantar vagabundo
Daqueles que velam
Pela alegria do mundo
Indo e mais fundo
Tins e bens e tais...
Será que nunca faremos
Senão confirmar
Na incompetência
Da América católica
Que sempre precisará
De ridículos tiranos
Será, será, que será?
Que será, que será?
Será que essa
Minha estúpida retórica
Terá que soar
Terá que se ouvir
Por mais zil anos...
Ou então cada paisano
E cada capataz
Com sua burrice fará
Jorrar sangue demais
Nos pantanais, nas cidades
Caatingas e nos gerais...
Será que apenas
Os hermetismos pascoais
E os tons, os mil tons
Seus sons e seus dons geniais
Nos salvam, nos salvarão
Dessas trevas e nada mais...
Enquanto os homens
Exercem seus podres poderes
Morrer e matar de fome
De raiva e de sede
São tantas vezes
Gestos naturais
Eu quero aproximar
O meu cantar vagabundo
Daqueles que velam
Pela alegria do mundo...
Indo mais fundo
Tins e bens e tais!
Indo mais fundo
Tins e bens e tais!
Indo mais fundo
Tins e bens e tais!

Você conhece o "Drumbone"?

Blue Man Group operando o "Drumbone"
O "Drumbone" é um instrumento musical feito com cano PVC, criado pela banda Blue Man Group. É realmente muito legal o espetáculo que esta banda oferece em posse deste magnífico instrumento.
O grupo por si já costuma surpreender a platéia com seus espetáculos, porém, na minha opinião, o "Drumbone" é o instrumento mais criativo e diferente usado pela banda.
Pra quem gostou, eles estão sempre fazendo shows no Brasil, é só acompanhar que mais cedo ou mais tarde eles dão o ar da graça. 






Segue o vídeo do espetáculo com o instrumento:












Protestos a favor da legalização das drogas liberada pelo Supremo

"O Supremo Tribunal Federal (STF) garantiu nesta quarta-feira (15) o direito de cidadãos realizarem manifestações pela legalização de drogas em todo o Brasil. Por unanimidade dois oito ministros que participaram do julgamento, o STF decidiu que, a partir de agora, a Justiça não poderá proibir protestos e eventos públicos, como as marchas da maconha." Fonte G1 Notícias

Finalmente deram aos manifestantes um direito que já os pertenciam. A minha opinião sobre a legalização das drogas não importa aqui, o que importa, é que os direitos de muitos estavam sendo privados. No meu ver protestar não é apologia, é apenas uma forma de mostrar que há um grupo insatisfeito com algo. No Rio havia uma forte repressão às passeatas a favor da maconha.
Passeata da maconha no Rio

Graças a Deus, estamos caminhando para um Brasil com a mente mais aberta. Não concordar com um ponto de vista, não significa que devemos privar pessoas de manifestá-lo. Afinal, se olharmos para a história, veremos que muitas coisas que fazemos hoje era errado no passado e vice versa.

Até a próxima!